Novo normal, tentativa e caos

Durante o tempo em que aguardo no ponto de ônibus, reflito sobre os noticiários. Confesso que um certo medo me consome, visto que o suposto vírus propaga mais rápido que o meu próprio medo. Ao mesmo tempo, amenizo a preocupação, sejamos otimistas, um continente nos separa da propagação… Meu ônibus se aproxima, e no mesmo instante em que subo os degraus rumo ao terminal, nem imagino a subida nos indicadores: um, sete, vinte, cinquenta contaminados, as fronteiras não foram suficientes, pois o comércio carimbou o passaporte para um vírus internacional!
De risadas entretidas a olhares preocupados, os sorrisos mudaram entre o trajeto do primeiro ponto. Alguns passageiros desceram, enquanto outros subiram, eu diria que com aspectos diferentes, um tanto peculiares. Máscaras tornaram-se obrigatórias, álcool em gel uma arma na mão, porém, o caos era quem realmente estava armado, pois novamente surpresa nos indicadores, agora com estudos e previsões de milhões de mortes, o medo tornou-se generalizado, a contaminação um surto mundial…
Muitas coisas aconteceram nos próximos pontos, decretos flexionavam a aglomeração, apesar de no transporte ser a principal, eis as ironias do capitalismo, ironias… Logo, estopins de contradições no novo normal: leitos superlotados, enquanto gozavam com a verba da saúde, governo no leite condensado, já a população sem leitos e nem covas, só sorriso cabisbaixo, sendo que além do lamento pelos mortos, os que lutavam pela vida eram golpeados, com ansiedades, crises e distúrbios psicológicos.
As luzes no ônibus falhavam, ao passo em que um rasgo na sanfona refletia o brilho da noite, era assustador, mas não tinha para onde fugir, era apaixonado por não morrer de fome. O toque de recolher era às dez, mas como chegar às dez se só saía do ônibus às onze? A idealização de isolamento era perfeita, claro, para quem tinha condição financeira, já o isolamento da população era dentro do busão, na perfeita companhia daquele de quem tanto fugia…
Inevitavelmente o mundo questionou a brevidade da vida, e por não prever o amanhã, o hoje tornou-se motivo de relaxamento. Rapidamente as medidas de prevenção foram colocadas em segundo plano, e o novo plano tornou-se aproveitar o restante da vida. Quando me dei conta, o senso comum compartilhava e comentava bate e volta de viagens, a última parada ainda era o terminal, mas como assim no litoral? Novamente estopins de contradições: Isolamento social; a social até com desconhecidos, álcool em gel; nova bebida alcoólica nos barzinhos, máscaras; um protótipo alternativo de sunga, média de mortes; aquela média com os amigos, e o novo normal uma manchete diária no jornal! O que mais poderá acontecer? Sabe lá quem…

Diego Rodrigues Silva Aguiar
© Todos os Direitos Reservados

2 comentários em “Novo normal, tentativa e caos”

  1. Cirúrgico. Repleto de sentimentos; a triste realidade pandêmica exposta por suas sábias palavras. Trágicas, mas necessárias.
    Ao meu ver, o povo brasileiro já se perdeu há tempos, a pandemia apenas confirmou e expôs todo o caos que estava encoberto e impregnado no nosso país.

    1. Realmente! Obrigado por comentar, sua opinião também foi necessária, já que é possível perceber milhares de pensamentos e indignações sobre o tema, são tempos de grandes reflexões…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s